20 Fevereiro 2011

A. Silva Matos (Sever do Vouga) envolvida em projecto pioneiro mundial de 18,4 milhões de euros

A WindPlus, uma joint-venture liderada pelo grupo EDP, assinou um acordo com a dinamarquesa Vestas para o fornecimento de uma turbina eólica de 2 megawatts destinada a um projecto na costa portuguesa.

A imprensa especializada está hoje a destacar este negócio, sublinhando o facto de a Vestas ter integrado o Projecto WindFloat – um projecto pioneiro que se baseia numa estrutura flutuante e que deverá custar 18,4 milhões de euros.

O financiamento do projecto foi assegurado através de contribuições de parceiros do projecto e com um subsídio a fundo perdido do Fundo de Apoio à Inovação (FAI), diz a EDP.

Esta será a primeira torre eólica offshore em Portugal e também a primeira da EDP, que tem prevista a sua instalação até ao Verão deste ano.

"A EDP, a InovCapital e a Principle Power, Inc. assinaram um acordo de projeto e um contrato em regime chave‑na‑mão, para a implantação do primeiro WindFloat à escala real equipado com um aerogerador de 2 megawatts (MW), ao largo da costa portuguesa. A EDP, a InovCapital, a Principle Power, a Vestas Wind Systems A/S, a A. Silva Matos (ASM) e o Fundo de Apoio à Inovação (FAI) são alguns dos parceiros deste projecto", refere em comunicado a empresa liderada por António Mexia.

O WindFloat é uma estrutura flutuante patenteada, com design simples e económico, para suporte de aerogeradores offshore. As funcionalidades inovadoras do WindFloat - que atenua os movimentos induzidos pelas ondas e pelos aerogeradores/vento - permitem implantar aerogeradores offshore em locais antes inacessíveis, onde a água excede os 50 metros de profundidade e os recursos eólicos são superiores, sublinha a EDP.

O projecto prevê a implantação, pela Principle Power, de um protótipo WindFloat, equipado com um aerogerador offshore Vestas V80 de 2,0 MW, ao largo da costa portuguesa ainda este ano.

O sistema será testado na Aguçadoura, num parque EDP, ligado à rede, por um período não inferior a 12 meses, com o objectivo de validar o desempenho da integração entre o WindFloat e o aerogerador. Serão ainda realizados estudos de comissionamento/descomissionamento e de operação e manutenção.

Sever do Vouga recebe o Concurso Nacional de Leitura

A Biblioteca Municipal de Sever do Vouga foi a biblioteca pública seleccionada pela Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas (DGLB) para organizar a fase distrital (Aveiro) do Concurso Nacional de Leitura (CNL), a 18 de Março.

O CNL é uma iniciativa conjunta do Plano Nacional de Leitura (PNL), Rede de Bibliotecas Escolares (RBE), DGLB e Rede Nacional de Bibliotecas Públicas (RNBP) com cinco anos de existência e que tem crescido de ano para ano em número de participantes e envolvimento das entidades promotoras.

A primeira fase é organizada pelas bibliotecas escolares, a segunda fase pelas bibliotecas públicas e a terceira fase, a final, pelo PNL. Os estudantes do 3.º ciclo e ensino secundário prestam provas de leitura de livros seleccionados, graduais e eliminatórias, até à final, transmitida pela RTP1.

Com a devida vénia do jornal "BEIRA VOUGA"

20 Agosto 2010

Em 2010/2011, só uma escola encerra em Sever do Vouga

Das 701 escolas do 1.º ciclo que já não vão abrir este ano lectivo (2010/2011), 384 estão localizadas no Norte do país, 152 no Centro e 121 na região de Lisboa e Vale do Tejo. No Alentejo, vão encerrar 32 estabelecimentos do 1.º ciclo e no Algarve 12.

Na região Norte do país vão encerrar mais escolas do 1.º ciclo do que no resto do país. Lamego é o concelho que vai fechar as portas de mais estabelecimentos, 21 no total.

Em Sever do Vouga apenas uma escola encerrará as suas portas. Trata-se da Escola Básica da Remolha (Silva Escura). No Baixo Vouga o município de Anadia é o mais afectado: 8 escolas vão fechar. Seguem-se Meallhada (7), Vagos (3), Aveiro (2), Ovar (2) e Oliveira do Bairro (1).

19 Agosto 2010

Padre Vítor Espadilha homenageado

As Paróquias da Moita e Vila Nova de Monsarros em conjunto homenagearam, no passado domingo, o Pároco Vítor Espadilha, pelos 25 anos de sacerdócio. A homenagem decorreu, no passado domingo, dia 15 de Agosto, durante um almoço/convívio, onde estiveram presentes cerca de duas centenas de pessoas.

Vítor Espadilha nasceu no Brasil, tem 51 anos, frequentou o Seminário em Toledo, tendo sido ordenado Padre em Portugal. É Pároco da Moita e Vila Nova de Monsarros há cerca de sete anos. Contudo, iniciou o seu sacerdócio na paróquia de Cedrim (Sever do Vouga) onde esteve 18 anos.

Durante o almoço foi passado em powerpoint o filme da sua vida. No final foi entregue uma lembrança das duas paróquias.

Ao final da tarde, no Santuário de Schoenstatt (Gafanha da Nazaré) foi celebrada uma missa, com a presença do Bispo de Aveiro, Párocos e representantes das diferentes congregações religiosas do distrito. A missa foi cantada pelo Grupo Coral da Moita.

Durante o discurso, o Bispo de Aveiro enalteceu a sua obra como religioso e a forma como tem passado a mensagem de Deus com uma nova postura e maneira de estar, através da espiritualidade e da realização de peregrinações.

in Região Bairradina

11 Agosto 2010

Para que serve tanto ministério?

Se não existisse ministério da Agricultura o país estaria pior? Creio que não. Bastava um simples Director-Geral para despachar burocracia. Mais a mais com um ministério da Economia mesmo ao lado, não faz sentido manter o monstro burocrático que é o ministério da Agricultura. Acaso a agricultura não é economia? Será o quê? E ainda se ganhavam uns milhões em ordenados, gabinetes e despesas gerais de manutenção...

Não tenho dúvidas que sem ministério teríamos facilmente uma agricultura mais desenvolvida e próspera. Para o estado do problema bastaria que existisse apenas um Director-Geral encarregue do assunto. Mais a amais tendo ao lado um ministério da Economia, que só faz sentido também num país socialista, em que o Estado se toma por um agente económico igual aos outros.

Peço desculpa de desiludir os leitores, mas julgo que há questões de fundo mais importantes do que falar dos cornos que despediram Manuel Pinho do Governo. O mesmo Manuel Pinho, aliás, que foi eleito deputado por Aveiro nas listas do PS, convém lembrar...

Ainda recentemente tivemos mais um exemplo da inanidade ministerial na agricultura. Por ocasião da inauguração da II Feira do Mirtilo de Sever do Vouga, Manuel Soares, presidente da Câmara Municipal de Sever do Vouga, por sinal também socialista, lastimou "os graves atrasos do Ministério da Agricultura na aprovação de projectos agrícolas relacionados com o desenvolvimento do cultivo do mirtilo".

José Valente, presidente da Associação Empresarial que actua nos concelhos de Albergaria-a-Velha, Estarreja, Murtosa e Sever do Vouga, pôs o dedo na ferida: "Quantos técnicos do Ministério vieram a Sever do Vouga procurar ajudar os nossos produtores de mirtilo?", questionou, para responder logo a seguir: "Zero". Mais uma pergunta: "Quantos técnicos vieram a Sever do Vouga auxiliar no preenchimento dos formulários para candidaturas à União Europeia?", perguntou e também respondeu: "Zero".

E acrescentou ainda, dando eco aos lamentos dos produtores de Sever do Vouga: "Mas depois, sem nunca saírem dos seus gabinetes para vir ao terreno ver o que se está a fazer, vieram dizer que não era assim que se fazia". O esforço que se tem feito na implantação de uma plataforma internacional de produtores do mirtilo, da qual Sever do Vouga faz parte, "merecia outra atenção por parte do MA".

A dinâmica económica que está gerada em Sever do Vouga com o mirtilo não merece o desprezo do ministério. Era justo que o país votasse ao desprezo o ministério, extinguindo-o.

Homenagem a título póstumo ao meu amigo Jorge Ferreira. Texto publicado no Diário de Aveiro (10/07/2009).

08 Julho 2010

Sever do Vouga: Ralicross a 1 de Agosto no Roçário

A próxima prova do Campeonato e da Taça de Portugal de Ralicross disputa-se no Circuito do Alto do Roçário, em Sever do Vouga a 1 de Agosto. Uma jornada que também vai contar com o Crosscar, pois pontua igualmente para o Troféu Olimar, da Semog. Além disso, também poderá realizar-se uma prova extra-Campeonato, desta última modalidade, o Crosscar.

A jornada, que está englobada no programa da Ficavouga, tem todo a componente desportiva no domingo, 1 de Agosto, com a tarde do dia anterior, sábado, a ser destinada às verificações.

Com estas duas espectaculares modalidades em pista, são esperados mais de quatro dezenas de pilotos, até porque é um dos circuitos que mais agrada aos amantes do Ralicross, façam eles parte do espectáculo ou do público. Talvez porque foi neste circuito, que no final da década de 80, se realizou a primeira jornada desta modalidade, em Portugal.

As inscrições para esta prova já se encontram abertas e poderão ser efectuadas na FPAK ou no Vouga Sport Clube. Neste último, até ao dia 24 de Julho.

Em prova estarão as várias Divisões do Ralicross, sendo de destacar a Divisão 1, a rainha da modalidade, com “máquinas” que ultrapassam as cinco centenas de cavalos de potência.

Com motores bem menos potenciados, também estarão presentes os pilotos do Troféu Iniciação, destinado a jovens entre os 13 e os 15 anos, que boas provas prestaram nas jornadas anteriores, que se realizaram em Lousada e Montalegre. Entre eles, o jovem Bernardo Maia, bem conhecido da zona de Sever do Vouga.

Inscrições mais baratas

Além disso, é de destacar os valores das taxas de inscrição, que são mais baixos do que os praticados na outra modalidade do Off-Road, o Autocross. Uma aposta do Vouga Sport Clube, com a finalidade de atrair mais concorrentes. Assim, os concorrentes do Campeonato de Ralicross pagarão uma taxa de 150 euros, sendo esta de 100 para as Divisões da Taça e para o Troféu Iniciação. Já o Troféu Olimar pagará somente 75.

O programa inicia-se na manhã de domingo, pelas 9:30 horas, com a realização dos treinos oficiais. Ainda antes da hora do almoço, terá início a primeira corrida de qualificação.

Da parte da tarde, o programa recomeça às 14:00 horas, com a segunda corrida de qualificação, à qual se seguira a terceira e última. As finais, estão programadas para as 16:30 horas.

(In Jornal de Notícias - Velocidade)

Sever do Vouga: Mais de 35 mil visitantes na Feira do Mirtilo

A Feira do Mirtilo recebeu milhares de visitantes durante o fim-de-semana, provando que o mirtilo é, cada vez mais, um produto de divulgação do concelho.

A melhor Feira do Mirtilo de sempre recebeu a maior enchente de sempre. Segundo números da organização, a cargo da AGIM e Câmara Municipal, terão sido mais de 35 mil os visitantes que se deslocaram ao Parque Urbano de Sever do Vouga, durante o passado fim-de-semana, atraídos pelo mirtilo e todos os derivados que se produzem a partir deste pequeno fruto de cor azulada.

O mirtilo assume-se, desta forma, cada vez mais como um produto de divulgação do concelho. Isto mesmo se comprova com o facto de cerca de 90 por cento dos visitantes da Feira do Mirtilo serem de fora do município, vindos de vários pontos do país. “A Feira do Mirtilo tem um forte impacto na divulgação do concelho”, reconhece Manuel Soares, presidente da autarquia, que faz um balanço “muito positivo” deste evento. “A aposta no mirtilo está a dar resultados”, explica o autarca, referindo-se não apenas à componente turística associada a este fruto, como à importância económica cada vez mais significativa. Por isso, Manuel Soares quer apostar na produção de outros frutos, casos da fisalis e da groselha, e pretende avançar com a recuperação dos laranjais, outrora uma fonte de rendimento de muitas famílias.

José Manuel Rodrigues Silva (in Diário de Aveiro)